Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Compartilhe:
26/12/2014

Bunge embarca açúcar certificado para o exterior

A Bunge Brasil, empresa produtoras de açúcar e bioenergia, uma das maiores tradings mundiais de açúcar, embarcou mais de 17 mil toneladas de açúcar bruto a granel, com certificação Bonsucro, para o Canadá.

A Bonsucro é uma organização internacional que estabelece princípios e critérios socioambientais para cultivo da cana em todo o mundo, permitindo a certificação de seus produtos derivados. Foi a primeira vez no mundo que uma carga de açúcar certificado pela Bonsucro é exportada no comércio internacional.

Segundo Gabriel Carvalho, diretor comercial de Açúcar & Bioenergia da Bunge, a empresa já havia comercializado etanol com o selo Bonsucro, no entanto, essas transações foram realizadas apenas aqui no País. "Além disso, é importante ressaltar que essa operação só foi possível por conta da integração de diversas áreas da empresa, desde a produção até a parceria com clientes estratégicos, passando por nosso escritório na Europa que também se certificou a fim de garantir rastreabilidade para levar o produto brasileiro a qualquer parte do mundo”, diz.

Essa primeira venda global de açúcar certificado demonstra, claramente, a preocupação da Bunge em estar presente em um mercado crescente e promissor, com matérias-primas selecionadas. “A certificação já é muito forte na Europa, onde as exigências com relação à sustentabilidade são maiores. Com a certificação Bonsucro, garantimos o controle de toda a cadeia relacionada à produção sustentável de cana-de-açúcar e seus derivados, permitindo um diferencial aos clientes que valorizam esse tipo de gestão de impactos e responsabilidade socioambiental”, informa Michel Santos, gerente de Sustentabilidade da Bunge Brasil.

O comprador final é uma das maiores fabricantes globais de doces. A Bunge movimenta mais de cinco milhões de toneladas do produto, integrando produtores no Brasil, Tailândia e países da América Central a destinos como China, Canadá e Oriente Médio.

Fonte: Dinheiro Rural