Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Compartilhe:
10/03/2016

Pesquisa revela quanto informações contidas no código de barras influenciam a decisão de compra dos brasileiros

Pesquisa desenvolvida pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil entre o último trimestre de 2015 e o primeiro deste ano, “O uso do código de barras no Brasil: consumidores e empresas” demonstra a relevância do código de barras na decisão de compras do consumidor e no desempenho comercial e de gestão das principais empresas do país. Com foco nos hábitos do consumidor, esta foi a segunda fase do trabalho apresentado em junho de 2015 em parceria com a consultoria H2R Pesquisas.

Acompanhe a GS1 Brasil nas mídias sociais: Facebook | Twitter | LinkedIn 

As entrevistas foram aplicadas nos estados de São Paulo, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia, Sergipe e do Distrito Federal. Foram consultados 477 consumidores maiores de 18 anos, com acesso a smartphone, e 159 empresas que atuam em Indústria, Agronegócio e Comércio. 

O universo abrangido pela pesquisa é o de empresas que oferecem produtos acabados e destinados ao consumidor final e identificados por código de barras. “Iniciamos uma série de trabalhos sem precedentes no Brasil no segmento de automação; a partir de agora, teremos base para prover números relevantes, que servirão de referência para a indústria, distribuição e comércio”, afirma João Carlos de Oliveira, presidente da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil.


Nessa fase, a pesquisa teve início consultando consumidores, a fim de delinear o seu comportamento de compra. A primeira constatação é de que a tecnologia se instalou definitivamente nos hábitos do brasileiro, sendo que 87% dos entrevistados afirma ter o hábito de usar a internet como meio de compras, além da presença física nas lojas de varejo. Somente 9% deles revela comprar pessoalmente, sem usar a tecnologia, e 4% têm a internet como meio exclusivo de compras. Daqueles que preferem comprar pessoalmente, 30% têm acima de 55 anos de idade.

Confira um resumo do estudo: