Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Bem-vindo à GS1 Brasil A Linguagem Global dos Negócios
Navegar para Cima

Skip Navigation LinksPor-que-n%25C3%25A3o-acho-o-39

Compartilhe:
16/05/2016

Por que não acho o 39?

Não é raro chegar a uma loja de calçados, gostar de um modelo, solicitá-lo ao vendedor, e logo em seguida ele aparecer com algumas caixas na mão, sendo que nenhuma delas com o que lhe foi pedido. No caso de falta de numeração, o problema é, quase sempre, frequente. Quem nunca pediu um nº 39 e ouviu a frase “leva o 38 que depois laceia”?

Isso ocorre porque hoje o ciclo de vida dos produtos está cada vez mais curto, devido ao plano de desenvolvimento contínuo e a novos lançamentos. A quantidade de volumes comercializados e os prazos de entrega estão diminuindo a cada transação, e as frequências de entrega estão aumentando gradativamente. O lojista trabalha com os estoques cada vez mais reduzidos, pois o mercado imprime esse ritmo e a indústria repassa essa necessidade aos seus fornecedores

A nova realidade não comporta mais a velha compra por grade: “1-2-2-3-2-2-1”. Por que não é possível comprar uma caixa somente com o número 39? A velha máxima “Compro grade porque sempre foi assim”, infelizmente não funciona mais, Outras que também estão ultrapassadas são “Eu vendo grade porque o lojista somente compra assim”, ou  “Eu compro grade porque a indústria somente vende em grade. Todos esses pensamentos convergem para que se venda menos. 

Em virtude da falta de aderência entre os modelos de pedido e de uma demanda diferenciada, nasceu o projeto GOL (Grupo de Otimização Logística). O objetivo desse grupo, composto por algumas das maiores empresas do setor, e coordenado pela GS1 Brasil – Associação Brasileira de Automação – é promover junto ao mercado a utilização de padrões internacionais para a utilização da automação e de ferramentas de gerenciamento da cadeia de suprimentos. Envolve, ainda, tecnologias de captura automática de dados e de comércio eletrônico, permitindo uma eficiente integração entre os participantes da cadeia de suprimentos da indústria calçadista.

O fato de aplicar-se o padrão GS1 confere ainda maior eficiência aos negócios internacionais, uma vez que este é  um sistema multissetorial  e aberto.

Os benefícios da automação para o setor calçadista são muitos, dentre eles, destacam-se: maior eficiência na gestão de estoques, agilização no recebimento e expedição de mercadorias, melhoria na eficiência do fluxo de produtos e informações, melhor gerenciamento do negócio, ampliação dos serviços aos clientes, intensificação do relacionamento entre clientes e fornecedores, redução dos custos de administração dos processos logísticos, segurança e agilidade na devolução e troca de produtos, redução de volume de papéis, facilidade de apuração de margens, giro de estoque, descontos, segurança e rapidez no inventário e no controle físico e financeiro dos estoques. 

Essas vantagens resultam em  mais vendas,  redução total de custos,  diminuição da margem de erros, aumento de eficiência no ponto-de-venda, promovendo crescimento e vantagens para toda a cadeia. 

Hoje, a informação é o "bem" mais precioso do empresário, além de representar a base de um gerenciamento eficiente e eficaz para manter o negócio e trazer condições de crescimento sustentável, fazendo frente à concorrência de grandes empresas nacionais e internacionais.

A automação deve ser considerada como um importante investimento pelas empresas que pretendem, por meio de um controle efetivo das operações, aperfeiçoarem sua gestão buscando eficiência e produtividade. As indústrias e os varejos que desejam manter-se competitivos, devem investir em novos modelos e ferramentas de gestão logística, tais como código de barras e comércio eletrônico, para atender seus clientes e tornarem-se mais ágeis e prontas  para as mudanças de comportamento do mercado.

Ana Paula Maniero - Gerente de Negócios da GS1 Brasil