Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Compartilhe:
24/10/2014

Turquia apresenta sistema modelo de rastreabilidade de medicamentos à brasileiros

Representantes da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil participarão de um roteiro de visitas técnicas a todos os elos da cadeia de suprimentos do setor – dos fabricantes ao balcão das farmácias – de forma a verificar a evolução conseguida até agora. O objetivo é aperfeiçoar o conhecimento para a entidade orientar os interessados em conhecer processos a serem implantados no Brasil pela indústria farmacêutica.

Em 2012, a missão já havia verificado o exemplo turco para melhorar a eficiência e a competitividade, além do combate à falsificação e o roubo de medicamentos. Naquele ano, o mercado farmacêutico da Turquia contava com 276 fabricantes, 294 distribuidores, mais de 24 mil farmácias e 13 mil hospitais. O sistema de rastreabilidade foi adotado para otimizar o subsídio de medicamentos oferecido pelo governo por meio de um sistema de reembolso.

Antes de adotar a prática, o governo somava um grande prejuízo, uma vez que uma mesma prescrição médica de medicamento era apresentada em várias farmácias diferentes, facilitando acesso de pessoas que não tinham direito ao benefício. Essas fraudes geravam um prejuízo médio de US$ 1 bilhão ao ano. Pelos cálculos do governo turco, em cerca de quatro meses de operação, o investimento na rastreabilidade já foi pago.

A tecnologia escolhida pela Turquia para rastrear o remédio na indústria, atacado e varejo, foi o código padrão GS1 DataMatrix, ferramenta que levou o país a ser o primeiro no mundo a ter 100% de controle. “O Brasil também está a caminho de adotar o sistema em todo o território nacional para atender à regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa”, destaca o presidente da GS1 Brasil, João Carlos de Oliveira, que participa da missão.

O objetivo do governo brasileiro é que a população tenha mais segurança na hora de comprar um medicamento contando com a rastreabilidade. Para que isso aconteça, será preciso que as embalagens dos remédios contenham uma identificação única, capaz de permitir ao usuário saber todo o histórico e localização do produto. Também será possível verificar se ele é original e se tem procedência legal, evitando assim contrabando e falsificações.

Fonte: Embanews